Palmilhas artesanais para mal perfurante – Módulo 2

Neste módulo desenvolvo de forma sucinta um passo a passo da confecção das palmilhas e sua adaptação ao calçado sugerido para cada paciente.

Tendo em vista a infinita formatação anatômica do pé de cada paciente, com a concomitância de eventuais deformidades, torna-se praticamente impossível a produção dessa alternativa em escala industrial.

Palmilhas artesanais para mal perfurante – Módulo 1

Neste módulo você acompanhará as considerações que nos levaram a desenvolver uma alternativa bem artesanal e customizada que vem ajudando de maneira consistente e eficaz no tratamento dos portadores de feridas plantares decorrentes de neuropatia.

Módulo 1

Módulo 2

Carvão ativado

Lemos na Wikipédia que o carvão ativado “é um material de carbono com porosidade bastante desenvolvida” e “tem a capacidade de coletar seletivamente gases, líquidos ou impurezas no interior dos seus poros, apresentando portanto um excelente poder de clarificação, desodorização e purificação de líquidos ou gases.” 

Continue Lendo “Carvão ativado”

Alginato

Curativos de feridas crônicas co alginato

Devo afirmar que os curativos de alginato, especialmente nos formatos de placas e tiras, ocupam um espaço muito importante na minha experiência acumulativa no tratamento dos pacientes portadores de feridas crônicas. Provavelmente porque as feridas de etiologia venosa – por serem habitualmente muito exsudativas – respondem muito bem às coberturas com alginato. A possibilidade de combinação com a prata também conferem a esses curativos uma importância inegável no enfrentamento das infecções nos pés de diabéticos. Vamos ao assunto.

Continue Lendo “Alginato”

Coberturas não aderentes

São curativos cuja função principal é proteger os tecidos do leito das feridas contra eventuais danos que possam ser causados por determinados curativos. Sabemos que as gazes, habitualmente utilizadas, aderem firmemente ao leito das feridas. A retirada dessas gazes provocam o que é comumente chamado de desbridamento não seletivo: ou seja, podem trazer consigo, além dos debris indesejáveis, elementos necessários ao processo cicatricial. Outros curativos, tais como carvão, espumas, etc, podem também provocar danos semelhantes.

A interposição de coberturas não aderentes tem, portanto, a função de proteger o leito das feridas contra as eventuais agressões que possam ser provocadas no momento da troca dos curativos.

Continue Lendo “Coberturas não aderentes”

Terapia à vácuo com PICO

A cada momento surgem novos modelos de dispositivos baseados na tecnologia por pressão negativa – vácuo – focados no tratamento das feridas crônicas de difícil cicatrização.
Inicialmente os modelos eram formatados para uso em ambiente hospitalar, exigindo assim a manutenção dos pacientes em regime de internação. Em alguns casos e, na prática, essa tem sido a alternativa possível.
Entretanto, a evolução para a portabilidade dos novos equipamentos permitiriam que quantidade expressiva de pacientes pudesse ser desospitalizada sob acompanhamento em regime ambulatorial e até mesmo domiciliar. Vislumbra-se aí o significativo impacto que poderia ocorrer na redução dos custos desse procedimento.
A eficiência da Terapia por Pressão Negativa no tratamento das feridas já está consistentemente demonstrada por seus efeitos benéficos no processo de cicatrização, pela seguintes razões:

Continue Lendo “Terapia à vácuo com PICO”

COVID-19 e úlcera plantar em diabéticos

Uma vez considerada uma pandemia pela Organização Mundial de Saúde, o que o novo coronavirus significará para os milhões de pacientes diabéticos pelo mundo?

Instituições científicas são unânimes em afirmar enfaticamente que os portadores de DM (Diabetes Mellitus) são os mais vulneráveis às complicações da COVID-19. Ou seja, o risco de óbito é maior entre os diabéticos acometidos pela nova doença.

O diabetes foi responsável por aproximadamente 20% das admissões em unidade de terapia intensiva (UTI) de acordo com uma análise recente em Wuhan, China.(1)

Dados mais recentes, desta feita da Itália, revelaram que mais de dois terços das pessoas que morreram por COVID-19 tinham diabetes. “Resta agora determinar se as complicações crônicas do diabetes desempenham um papel nesta associação. Por exemplo, algumas ideias já surgiram em relação ao pé diabético, em parte mediadas pela neuropatia diabética”.

Além disso o Diabetes foi inquestionavelmente um importante fator para a gravidade e a mortalidade de surtos anteriores de viroses evoluindo com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). (3)

O que dizer, então, dos diabéticos que são também portadores de feridas ou úlceras plantares?

Precisamos considerar duas observações que parecem estar se tornando relevantes para que se possam tirar conclusões que respondam a essa pergunta:

Continue Lendo “COVID-19 e úlcera plantar em diabéticos”

Iodosorb creme

Iodosorb creme

Durante muitos anos – eu diria, décadas – são usados produtos à base de Iodo para limpeza, assepsia e antissepsia da pele.
Nos centros cirúrgicos o álcool iodado e o Povidine – nas versões alcoólica e degermante – ainda fazem parte da rotina de preparo das mãos da equipe cirúrgica e do campo operatório em muitos centros cirúrgicos. É um problema quando pacientes informam alergia ao Iodo em serviços que não dispõem de outras alternativas.

Nesse tempo de PANDEMIA que estamos vivendo, o Iodo adquire “estatus” de relevância como antisséptico oral contra a SARS-CoV-2 (Síndrome Respiratória Aguda Severa Coronavirus 2). Por enquanto a possibilidade de bochechos com iodo-povidona para inativação do COVID-2 ainda está na fase “in vitro”. Quem deseja satisfazer à curiosidade pode ler AQUI.
Pois bem, o Iodo para uso tópico vem se impondo como alternativa contra a infecção no tratamento das feridas crônicas. Concentrações apropriadas contornam o velho problema da toxicidade celular dos produtos convencionais baseados em Iodo.

Continue Lendo “Iodosorb creme”

Hidrocoloide

Os hidrocolóides são curativos contendo agentes semipermeáveis de poliuretano em formato de placas gelatinosas com partículas hidro ativas de carboximetilcelulose sódica (NaCMC), pectina e gelatina. 


Fonte da Imagem: https://www.tradeindia.com/fp4015866/Hydrocolloid-Wound-Dressing.html

São normalmente embalados em placas de filme ou espuma de poliuretano, autoadesivas algumas e impermeáveis à água na face oposta à ferida.

De acordo com cada fabricante, a superfície de contato com a ferida pode apresentar variações. 

Estão disponíveis em placas mais finas ou mais espessas em múltiplos formatos com vistas à topografia da ferida.

Continue Lendo “Hidrocoloide”